Notícias

Cenpec na Mídia

Tamanho da fonte: A- A+ imagem_evento

Publicada: 14/09/2015

Especial Educação Integral na Folha de S.Paulo

Alexandre Isaac e Guillermina Garcia, ambos do Núcleo de Educação Integral do Cenpec, foram entrevistados pelo jornal Folha de S.Paulo, em especial sobre Educação Integral publicado no último domingo (13/09). Confira as duas reportagens abaixo:

 

Zona sul de SP concentra colégios em tempo integral, mostra Datafolha

 

Fonte: Folha de S.Paulo

 

DHIEGO MAIA
DE SÃO PAULO

 

CAMILA DE LIRA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

 

13/09/2015  02h00

 

A escola com opção de regime integral é tendência no mercado do ensino e sonho de consumo das famílias que correm atrás do tempo para ganhar a vida e criar filhos.

 

Em São Paulo, a zona sul é a região com a maior proporção de instituições privadas que oferecem dois turnos, mostra levantamento exclusivo do Datafolha.

 

Entre os colégios analisados na zona sul, 35% têm ensino integral. Na zona leste, esse índice é de 28%; na norte, cai para 20%; e chega a 13% na oeste. Na região central, 5% praticam a modalidade.

 

O Datafolha consultou 1.051 estabelecimentos escolares em todas as áreas da capital, A rede particular paulistana tem 3.776 unidades.
Bairros-dormitórios

 

"A zona sul é de bairros-dormitórios, e tem uma demanda maior por escolas. O morador de lá também tem mais condições de pagar uma escola de tempo integral", afirma Benjamin Silva, presidente do Sieeesp (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo).

 

No ensino fundamental 1 (da primeira à quinta série), a jornada estendida já é maioria: 65%. A oferta perde força na etapa seguinte (do 6º ao 9º ano), com 23,5% das escolas oferecendo sistema integral. E fica mais rara no ensino médio, com apenas 6%.

 

proporção de escolas em tempo integral por região de SP

 

A zona leste é onde a diferença entre a oferta de sistema integral no fundamental e no ensino médio é maior. "Nessa região, a mensalidade da escola integral custa até R$ 800, e é mais demandada nas séries iniciais. O valor elevado e a enorme evasão de estudantes puxam para baixo a oferta da modalidade no nível médio", diz Silva.

 

Existe uma diferença fundamental entre a educação integral e a escola de tempo integral, aponta Neide Noffs, pesquisadora de formação de professores da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo).

 

"O ensino integral usa o esporte, a arte e a cidadania para formar e instigar o aluno a desenvolver habilidades. É mais que deixar a criança o dia inteiro na escola", afirma.

 

Segundo ela, poucas instituições no país tem essa essência. "Há mais aparência. Educação integral é unir professores e alunos em atividades que fazem sentido", diz.

 

INTEGRAL NÃO É DEPÓSITO DE CRIANÇA

 

Escolher um colégio que dá educação integral não deve ter apenas como base o tempo em que a criança passa lá, sugerem pesquisadores.

 

Alternativas não faltam. A modalidade cresce no país: nos últimos quatro anos, a alta de matriculados foi de 67% nas escolas particulares de nível fundamental, segundo o Ministério da Educação.

 

A saída para não errar é optar por uma escola com atividades muito bem estruturadas e interligadas
.

 

"Se a escola não oferece oportunidades para o desenvolvimento da criança, não vai funcionar", diz Alexandre Isaac, coordenador do Núcleo de Educação Integral do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas em Educação), da USP.

 

"Se a instituição chama o outro período de 'contraturno', é melhor não optar por ela", ensina a pesquisadora Paula Louzano, do Cenpec. Não se trata de semântica: o termo indica que não há elo entre os dois períodos.

 

Outra regra é verificar como as aulas dadas à tarde dialogam com o que já foi ensinado no período da manhã. Os pais precisam ver, também, como as disciplinas básicas são abordadas, conferir o material didático e olhar o tipo de lição que é passado.

 

A voz da criança não precisa ser esquecida nessa decisão. Colégios que alcançam os melhores resultados no aprendizado integral são os que escutam os estudantes.

 

Família e escola precisam "se entender", afirma Patrícia Mota Guedes, gerente de Educação da Fundação Itaú Social. "Os pais devem conhecer as propostas das escolas, acompanhar as atividades, e até se voluntariar para ajudar na comunidade."

 

Foi por esse caminho que a publicitária Daniela Starck seguiu ao colocar sua filha, Alícia, 10, num colégio de ensino integral. A mãe valoriza o fato de que tem sempre alguém de olho na menina. "Pensamos de forma parecida, eu, a coordenadora e o colégio. A experiência tem dado muito certo", diz ela.

 

O que falta para a educação integral deslanchar é capacitar e motivar os professores, na avaliação da pesquisadora Neide Noffs, da PUC.

 

 

Currículo de colégio integral tem de incluir tempo fora de sala e de ócio

 

Fonte: Folha de S.Paulo

 

EDUARDO VASCONCELOS
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

13/09/2015  02h00

 

A falta de tempo é uma das razões pela quais pais optam pelo ensino integral para os filhos. Mas, como consequência, as crianças passam a ter muito tempo disponível na escola e é preciso saber o que fazer com ele.

 

Educadores recomendam que o currículo de um curso integral não seja uma repetição das aulas tradicionais. A ideia é que ele promova atividades artísticas, esportivas e brincadeiras que possam ter relação com as disciplinas.

 

"Ampliar o tempo de aprendizagem é trazer outros saberes para dentro da escola, aqueles que não são acadêmicos", diz Guillermina Garcia, do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação e Ação Comunitária (Cenpec).

 

Segundo ela, é importante que a escola consiga correlacionar o que é estudado em sala de aula nas demais atividades. Em uma aula de capoeira, pode-se trabalhar aspectos históricos e geográficos, diz ela.

 

"Período integral não pode ser depósito de criança nem se transformar em um castigo", afirma Benjamin Ribeiro da Silva, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo (Sieesp).

 

Segundo ele, escolas que têm um programa definido para cada série estão conseguindo mais sucesso. "Seguir um currículo definido, em vez de só escolher o que se quer fazer, ajuda a melhorar o aproveitamento
escolar."

 

Silva aconselha os pais a verificarem se o currículo do integral prevê momentos livres, nos quais as crianças possam usufruir do espaço escolar como desejarem -lendo na biblioteca ou usando a internet, por exemplo.

 

CULINÁRIA

 

Com programa de ensino integral desde o infantil até o 5º ano do fundamental, o Colégio Mary Ward tem a proposta de utilizar todos os espaços da escola nesse módulo de ensino.

 

Além de aulas na biblioteca, no laboratório de informática e na horta, as crianças desenvolvem projetos em grupo e realizam as tarefas de casa. Também há atividades esportivas, artísticas e de culinária.

 

"Um risco que se corre com o período integral é a criança chegar e só fazer as atividades de casa", diz Alexandra Grassini, coordenadora do ensino integral do colégio.

 

Com a preocupação de não exagerar nas atividades, o Colégio Visconde de Porto Seguro, que oferece período integral desde o ano passado, faz quatro avaliações por ano sobre o curso. O método reúne comentários dos alunos e um relatório para os pais sobre a participação dos filhos.

"A proposta é de ampliar a formação geral do aluno", afirma Tânia Ruivo, coordenadora do período integral do colégio. "Não criamos um ambiente de reforço escolar, mas de união de atividades que os pais costumavam buscar fora da escola."

 

 



Comentários(0)

Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

O que fazemos

  • Assessoria as políticas educacionais, sociais e culturais
  • Formação de agentes educacionais, sociais e culturais
  • Implementação de programas e projetos
  • Produção e disseminação de conhecimento

Como fazemos

Nossas Redes

Abong Rede Nossa São Paulo Rede primeira infância Todos Pela Educação