Notícias

Formação de Professores

Tamanho da fonte: A- A+ imagem_evento

Publicada: 21/07/2015

Governo aumenta carga horária de cursos de formação de professores

Fonte: Folha de S.Paulo

 

NATÁLIA CANCIAN
FLÁVIA FOREQUE
DE BRASÍLIA

 

19/07/2015  02h00

Os futuros professores vão passar mais tempo em sala de aula, como alunos, antes de começarem a atuar em definitivo na própria sala de aula.

 

Na tentativa de melhorar a formação desses profissionais, o Ministério da Educação ampliou de três para quatro anos o tempo mínimo de formação exigido em todos os cursos de licenciatura do país.

 

Ou seja: das atuais 2.800 horas, os cursos passam a ter, obrigatoriamente, no mínimo 3.200 horas, com mais atividades práticas.

 

As medidas fazem parte das novas diretrizes para a formação de professores, elaboradas pelo CNE (Conselho Nacional de Educação) e aprovadas pelo governo neste mês. As instituições terão dois anos para se adequar.

 

Segundo o conselheiro José Fernandes de Lima, a ideia é reforçar a didática, além do conteúdo, e aproximar os futuros professores da realidade da sala de aula.

 

"Antes, os cursos ficavam mais preocupados em ensinar a matemática, por exemplo. Agora, queremos que tenha matemática, mas que possam ensinar também o que é escola", afirma. "Corríamos o risco de formar um professor que praticamente não tinha experiência."

 

O documento aprovado pelo governo também prevê mudanças para os professores que querem fazer uma segunda licenciatura -como um docente de geografia que queira ensinar ciências sociais, por exemplo.

 

Nesses casos, a carga horária mínima varia entre 800 e 1.200 horas. A parcela desse total em estágios passa de 200 para 300 horas.

 

Atualmente, dos 2,2 milhões de professores da educação básica, 76% têm formação superior. Destes, 89% fizeram cursos de licenciatura. Os dados são do censo da educação básica de 2014.

 

A licenciatura é exigida por lei para professores que dão aula a partir do 5º ano (antiga 4ª série). Para as etapas de ensino anteriores, é admitida formação em nível médio.

 

Confira aqui a íntegra da RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015, aprovada pelo CNE



Comentários(0)

Observação: as opiniões aqui publicadas são de responsabilidade apenas de seus autores. Os números de IP dos responsáveis pelos comentários estarão à disposição de vítimas de eventuais ofensas veiculadas neste espaço.

Saiba mais:

O que fazemos

  • Assessoria as políticas educacionais, sociais e culturais
  • Formação de agentes educacionais, sociais e culturais
  • Implementação de programas e projetos
  • Produção e disseminação de conhecimento

Como fazemos

Nossas Redes

Abong Rede Nossa São Paulo Rede primeira infância Todos Pela Educação